24 de agosto de 2009

Noite

A noite acalma o barulho da casa, lá fora tudo diminui o ritmo quase inerte da vizinhança, ainda escuto alguns barulhos, não são simples barulhos, são os últimos do meu dia, enquanto tudo e todos estão com aparencia de descanso, a noite dorme, as pessoas dormem e somente meu pensamento viola o silêncio noturno e penso, maquino, planejo, desfaço, crio, destruo, converso, revejo, analiso, lembro, relembro, recrio, digiro, implodo-me e recolho no fim do dia, todo esse barulho interno enquanto externamente meu corpo faz tanto silencio quanto a noite.

Nenhum comentário:

Postar um comentário